TUDO SALA DE AULA

QUIZ DE PORTUGUÊS - 01 - GERAL - 8º E 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

Prova online de Língua Portuguesa envolvendo diversos descritores.


É necessário resolver todas as questões para gerar o resultado. Boa sorte!

Exibir respostas somente após resolver todas as questões:

Leia o texto abaixo. 

 Os tesouros da selva 

    Antigamente, muitos acreditavam que na selva amazônica existia o Eldorado, uma cidade coberta de ouro e pedras preciosas. Ninguém encontrou o Eldorado, mas é verdade que a Amazônia tem ouro, petróleo e muitas outras riquezas. 
    Uma delas, muito importante, é a biodiversidade: nenhum outro lugar tem tantas plantas e tantos animais selvagens diferentes. Nem tanta água doce! Se pudéssemos derramar os rios, lagos e lagoas do planeta em cinco baldes gigantescos, um deles ficaria todo cheio só com a água da Amazônia! 

  (Spaece) No trecho “Antigamente, muitos acreditavam que na selva amazônica existia o Eldorado, ...”, a palavra destacada dá uma ideia de

Leia o texto abaixo. 

 Entrevista com Luís Fernando Veríssimo 

Repórter: Com este romance, você criou seis livros policiais. O que o atrai no gênero? 
Veríssimo: O romance policial é sempre uma leitura atraente. Se há um crime e uma investigação, sempre é possível “prender” o leitor. De certa maneira, o primeiro passo de um livro, que é o contato com o leitor, já está contido na ideia de espiar os passos dados até a solução de um mistério. 

  A expressão “ ‘prender’ o leitor ” tem o sentido de

Leia os textos abaixo. 

Mundo cão I 

    Gostaria de parabenizar a repórter Fátima Sá pela excelente reportagem sobre a exposições de cães e agradece-la pela linda capa de revista. Simplesmente você fez meu domingo ser um dos domingos mais alegres da minha vida! O máximo! As fotos ficaram ótimas, e você conseguiu de forma bem objetiva explicar o que acontece nas exposições. 

Fabiana Perrone , Rio de Janeiro , RJ 

 Mundo cão II 

    A capa da revista foi um soco no meu estômago. O conteúdo da reportagem é chocante. Como é que pessoas, em nome da futilidade e da ganância, submetem os pobres animais a terríveis torturas! Pobre daquele poodle, com aquela montanha de pelos repuxados, que sofrimento. Esses animais não devem poder beber nem comer durante essas torturas, pois na certa estragariam a festa de seus donos, ávidos pelos prêmios. 

Neusa Rego, Rio de Janeiro, RJ 

  (Spaece) Ao comparar esses textos, evidenciam-se

Leia o texto abaixo. 

 Pra dar no pé 

    Da varanda lá de casa, eu a avistava: linda, exuberante e charmosa. Nela moravam: bem-te-vi, pintassilgo, pombo, juriti, marimbondo e formiga alpinista. Papagaio de seda também! Desses do mês de julho que, em vez de ficar requebrando no céu, decidem embaraçar a rabiola nos galhos mais altos e ficar por ali mesmo. Teve um que gostou tanto de morar na árvore que nunca mais foi embora. No meio do ano, começavam a aparecer pequenas flores naquele pé de manga. Os frutos só chegavam em meados de dezembro. As chuvas do fim de tarde, muitas vezes, aprontavam: jogavam no chão as suculentas frutas. Umas se esborrachavam feio na lama. A dona Tina, na manhã seguinte, distribuía tudo entre a vizinhança. Era bom... 

Oliveira, Pedro Antônio de. CHC. n. 197, p. 19, dez. 2008. Fragmento. 

  (TSA) No texto, os elogios “Linda, exuberante e charmosa” referem-se

Leia o texto abaixo. 

 Alpinistas italianos são resgatados após atingirem o pico do Monte Aconcágua 

Outros dois integrantes do grupo foram encontrados mortos 

Da agência Buenos Aires 

    Dois alpinistas italianos foram resgatados nesta sexta-feira do Monte Aconcágua, na Argentina. Eles foram levados, de helicóptero, para um hospital na cidade de Mendoza. Outros dois integrantes do grupo já haviam sido encontrados mortos na montanha. Marco Afazio, de 39 anos, e Marina Acanazi, de 35 anos, estão internados em estado delicado. Já Mateo Refrigerato, de 35 anos, ainda espera, em estado crítico, por socorro em um acampamento. Após atingirem o cume, os três sobreviventes passaram duas noites com temperaturas entre 20 a 30 graus abaixo de zero, sem barraca, saco de dormir ou fogareiro. Outros dois componentes do grupo foram encontrados mortos. O guia argentino Federico Campanini, de 31 anos, chegou a ser resgatado, mas não resistiu. A italiana Elena Zenil, de 38 anos, se perdeu dos demais alpinistas antes de chegar ao cume e também morreu. A forte tempestade na região e a chegada tardia ao cume, 16h30 – é recomendado no máximo 14h –, são apontados como os principais responsáveis pela tragédia. 

Portal G1. Disponível em: . Acesso em: 09 jan. 2009. 

(Spaece) Esse texto é uma

Leia o texto abaixo. 

  (Spaece) Nesse texto, a menina

Leia os textos abaixo. 

Texto 1 

Reinações de Narizinho 

    Numa casinha branca, lá no Sítio do Pica-Pau Amarelo, mora uma velha de mais de sessenta anos. Chama-se Dona Benta. Quem passa pela estrada e a vê na varanda, de cestinha de costura ao colo e óculos de ouro na ponta do nariz, segue seu caminho pensando: – Que tristeza viver assim tão sozinha neste deserto... Mas engana-se. Dona Benta é a mais feliz das vovós, porque vive em companhia da mais encantadora das netas – Lúcia, a menina do narizinho arrebitado, ou Narizinho como todos dizem. 

LOBATO, Monteiro. Disponível em: http://www.jayrus.art.br/Apostilas/LiteraturaBrasileira/PreModernismo/Monteiro_Lobato_Reinacoes_de_Narizinho.htm 

 Texto 2 

Sítio do Pica-Pau amarelo 

    “Marmelada de banana, bananada de goiaba, goiabada de marmelo...” Na TV, essa era a senha para o início da diversão. O mundo mágico de Monteiro Lobato e o seu Sítio do Pica-Pau Amarelo era presença constante nas fantasias de milhares de crianças (e muitos adultos também!). Eu adorava! Não queria perder nem a abertura – ficava fascinada com a estrada que virava arco-íris... O difícil era esperar o dia seguinte pra ver o resto! 

Disponível em: http://www.infancia80.com.br/litafins/livros_sitio.htm 

  (Spaece) Esses dois textos têm em comum

(TSA) No segundo texto, a frase que indica uma opinião do autor é

Leia o texto abaixo. 

 História em esmolas 

    Quando aqui chegaram, os portugueses traziam bugigangas para oferecer aos índios. Desde então, a história do Brasil é uma história de esmolas dos poderosos para os humildes. Ao mesmo tempo em que matavam os índios, os colonizadores distribuíam esmolas para eles. 
    A independência também foi uma esmola: no lugar de um presidente brasileiro, eleito por nosso povo, tivemos um imperador, filho do rei da metrópole. A libertação dos escravos foi incompleta como uma esmola: não distribuíram as terras, não colocaram seus filhos na escola. Deram-lhes uma esmola de liberdade. 
    Nossa república foi proclamada, mas de um modo insuficiente, como uma esmola. Foi proclamada, não constituída. Para proclamá-la, bastou um marechal, em cima de um cavalo, com sua espada, em um dia de novembro no Rio de Janeiro, mas para construí-la são necessários milhões de professores, em dezenas de milhares de escolas espalhadas por todo o território, durante muitas décadas. 

BUARQUE, Cristovam. Os instrangeiros. Rio de Janeiro: Garamond, 2002. 

  (Spaece) O fragmento que contém a principal informação desse texto é:

Leia o texto abaixo. 

 População mundial a caminho do empate 

    [...] Muito em breve – provavelmente ainda nos próximos anos –, a metade da humanidade terá apenas filhos suficientes para repor o seu tamanho. Isto é, grande parte dos casais terá entre dois e três filhos, no máximo, o que permitirá apenas a reposição e não o crescimento da população do mundo daquele momento. Traduzindo em linguagem demográfica, a taxa de fertilidade da metade do mundo será de 2,1 ou menos. [...] 
    Segundo a ONU, 2,9 bilhões de pessoas, quase a metade do total mundial de 6,5 bilhões, vivem em países com 2,1 ou menos de taxa de fertilidade. Para o início da década de 2010, a população mundial está estimada em 7 bilhões e a quantidade de pessoas com esta taxa de fertilidade será de 3,4 bilhões. 
    A queda da taxa de fertilidade, em nível de reposição, significa uma das mais radicais mudanças na história da humanidade. Isso tem implicações na estrutura e na vida familiar, mudando o cotidiano das pessoas, mas também em relação às políticas públicas em níveis global e local, a serem implementadas pelos diferentes países ou sugeridas por instituições como a ONU. 

FRANCESCONE, Léa; SANTOS, Regina Célia Bega dos. Carta na escola. 

  (Spaece) A opinião dos autores desse texto se manifesta em:

Sua nota:

Você acertou de questões

Nível de aprendizagem:

Postar um comentário

O seu comentário é muito importante!

Postagem Anterior Próxima Postagem