ATIVIDADE / SIMULADO DE PORTUGUÊS - GÊNERO CRÔNICA-ANEDOTA (8º / 9º ANO) QUESTÕES COM GABARITO

Leia o texto para responder às questões 1 - 10.

A cadeira do dentista  
Carlos Eduardo Novaes

     O dentista surgiu com aquele ar triunfal de quem jamais teve cárie. Ah! Como adoraria vê-lo sentado na própria cadeira extraindo um siso incluso! Mal me acomodei e ele já estava curvado sobre a cadeira, empunhando dois miseráveis ferrinhos, louco para entrar em ação. Nem uma palavra de estímulo ou reconforto. Foi logo ordenando:
     - Abra a boca.
     Tentei, mas a boca não obedeceu aos meus comandos.
     - Não vai doer nada!
     - Todos dizem a mesma coisa - reagi. Não acredito mais em vocês!
     - Abra a boca! - insistiu ele.
     Abri a boca. Numa cadeira de dentista sinto-me tão frágil quanto um recruta diante do sargento do batalhão.
     Ele enfiou um monte de coisas na minha boca e tocou o dente com um gancho.
     - Tá doendo?
     - Urgh argh hogli hugli.
     Os dentistas são tipos curiosos. Enchem a boca da gente de algodão, plástico, secadores, ferros e depois desandam a fazer perguntas. Não sou daqueles que conseguem responder apenas movendo a cabeça. Para mim, a dor tem nuances, gradações que vão além dos limites de um sim-não.
     - A anestesia vai impedir a dor - disse ele, armado com uma seringa.
     - E eu vou impedir a anestesia - respondi duro segurando firme no seu pulso.
     Ele fez pressão para alcançar minha pobre gengiva. Permaneci segurando seu pulso. Ele apoiou o joelho no meu baixo ventre. Continuei resistindo, em posição defensiva. Ele subiu em cima de mim. Miserável! Gemi quase sem forças. Ele afastou a mão que agarrava seu pulso e desceu com a seringa. Lembrei-me de Indiana Jones e, num gesto rápido, desviei a cabeça. A agulha penetrou a poltrona. Peguei o esguichador de água e lancei-lhe um jato no rosto. Ele voltou com a seringa.
     - Não pense que o senhor vai me anestesiar como anestesia qualquer um - disse, dando-lhe um tapa na mão.
     A seringa voou longe e escorregou pelo assoalho. Corremos os dois pra alcançá-la, caímos no chão, embolados, esticando os braços para ver quem pegava a seringa. Tapei-lhe o rosto com meu babador e cheguei antes. A situação se invertera: eu estava por cima.
     - Agora sou eu quem dá as ordens - vociferei, rangendo os dentes. - Abra a boca!
     - Mas... não há nada de errado com meus dentes.
     - A mim você não engana. Todo mundo tem problemas dentários. Por que só você iria ficar de fora? Vamos, abra essa boca!
     - Não, não, não. Por favor - implorou. Morro de medo de anestesia.
     Era o que eu suspeitava. É fácil ser corajoso com a boca dos outros. Quero ver continuar dentista é na hora de abrir a própria boca. Levantei-me, joguei a seringa para o lado e disse-lhe, cheio de desprezo:
     - Você não passa de um paciente! 

1. (SAEB D10) O fato que desencadeou a narrativa foi
a) o dentista surgir com um ar triunfal.
b) a falta de cortesia do dentista durante um procedimento dentário.
c) o momento que o paciente recebeu a anestesia do dentista.
d) depois que o paciente jogou a seringa para o lado.

2. (SAEB D12) A finalidade do texto é
a) narrar um fato cômico.
b) divulgar o trabalho dos dentistas. 
c) dar informações importantes para o leitor.  
d) dar instruções durante um procedimento dentário.


3. (SAEB D10) Durante o texto, é identificado que a fala dos personagens tem sua transcrição exata, ou seja, não há interferência do narrador e existe a presença de verbos para anunciar o discurso. Desse modo, o modelo linguístico utilizado foi
a) o discurso indireto.
b) o discurso direto.
c) o discurso indireto livre.
d) o discurso direto livre.

4. SAEB D15) No trecho: “Numa cadeira de dentista sinto-me tão frágil quanto um recruta diante do sargento do batalhão.”, o termo grifado constitui ideia de
a) causa.
b) tempo.
c) consequência.
d) comparação.

5. (SAEB D18) Leia o trecho abaixo: 
“─ Tá doendo?
 ─ Urgh argh hoglihugli.”

Nesse trecho, a onomatopeia é um recurso que produz humor, pois revela que
a) o dentista estava nervoso. 
b) o paciente estava calmo.
c) o dentista precisava trabalhar.
d) o paciente não podia responder.

6. (SAEB D1) Segundo o texto,
a) o procedimento dentário do paciente foi concluído.
b) em um momento o dentista ficou na mesma situação dos seus pacientes.
c) no início do procedimento, o paciente se sentia seguro, mas logo após receber a anestesia ficou revoltado.
d) o dentista não tinha medo de anestesia.

7. (SAEB D3) No trecho: “Nem uma palavra de estímulo ou reconforto.”, revela que o dentista foi
a) grosseiro.
b) desrespeitoso.
c) indelicado.
d) cortês.


8. (SAEB D11) No trecho: “Lembrei-me de Indiana Jones e, num gesto rápido, desviei a cabeça. A agulha penetrou a poltrona.” A segunda frase em relação à primeira estabelece ideia de
a) oposição.
b) consequência.
c) causa.
d) concessão. 

9. (SAEB D4) Há uma opinião em
a) “Enchem a boca da gente de algodão, plástico, secadores...”
b) “Permaneci segurando seu pulso.”
c) “A anestesia vai impedir a dor.”
d) “É fácil ser corajoso com a boca dos outros.”

10. (SAEB D13) O trecho que apresenta uma linguagem informal é
a) “Você não passa de um paciente!”
b) “Não vai doer nada!”
c) “Corremos os dois pra alcançá-la”
d) “Levantei-me, joguei a seringa para o lado e disse-lhe...”

GABARITO
1B / 2A / 3B / 4D / 5D / 6B / 7C / 8B / 9D / 10C

2 Comentários

Tudo Sala de Aula agradece sua interação conosco!

  1. Suas atividades são excelentes! Parabéns! Gostaria de sua autorização para utilizar algumas em minhas aulas online. Na próxima semana vou trabalhar sobre crônica.
    Obrigada!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Tudo Sala de Aula agradece sua interação conosco!