ATIVIDADE / SIMULADO DE PORTUGUÊS - GÊNERO: CRÔNICA - 8º e 9º ANO (INTERPRETAÇÃO E COMPREENSÃO)

Leia o texto abaixo:

Reinaugurada ontem, a praça da República, no centro de São Paulo, recebeu bancos de madeira, com divisórias de ferro que impedem que uma pessoa se deite. O resultado, porém, é que, agora, os moradores de rua passaram a dormir no chão da praça.
Folha de S.Paulo, quinta-feira, 22 de fevereiro de 2007 

1. Sobre este texto, podemos afirmar que se trata de
a) uma fábula, pois está sendo narrada uma história que apresenta uma moral.
b) uma crônica, pois está sendo narrada uma história de modo pessoal e subjetivo.
c) um poema, pois o texto tem como objetivo emocionar o leitor.
d) uma notícia, pois o texto tem como objetivo informar o leitor. 

Leia e resolva as questões 2 - 4:

O sem-banco que virou banqueiro
Moacyr Scliar
       Como fazia todas as noites, o sem-teto chegou à praça para dormir. Foi direto a seu banco predileto -aliás, que era seu banco predileto os outros mendigos sabiam, e não se atreviam a deitar ali, sob pena de serem expulsos sem dó nem piedade. Homem ainda jovem, violento quando se tratava de defender os seus interesses, o sem-teto não hesitava em partir para a agressão.
     Ao chegar a praça, contudo, teve uma surpresa. Para começar o logradouro tinha sido reformado, e bem reformado, ganhando novo pavimento, canteiros bem-tratados, lagos. Isso, contudo, ao sem-teto não interessava: a praça para ele não era local de recreação, era moradia. Por isso foi com indignação que constatou a substituição de seu banco-cama por um outro, que era mais novo e mais bonito, mas tinha várias divisórias de ferro. E, a menos que deitasse sobre elas (coisa que não faria: não era faquir), não tinha mais como dormir no banco.
       A raiva apoderou-se dele. Pensou em destruir o banco, em colocar fogo naquela coisa maldita. Mas, depois de ter perambulado o dia inteiro, estava cansado demais para isso. De modo que fez como outros mendigos: deitou-se no chão.
        E aí viu. A alguns metros de distância estava um pedaço de jornal velho. Trouxera-o provavelmente o vento. Mas, sob o jornal, havia algo, algo que o sem-teto só podia ver exatamente porque estava deitado no chão e não nas alturas do banco. Uma carteira. Uma carteira de dinheiro.
Correu para lá. Era, sem dúvida, a carteira de um estrangeiro, porque estava recheada de cédulas estranhas (euros, como ele descobriria depois). Mais, numa divisão havia seis pedras que reluziram ao crepúsculo: diamantes. Verdadeiros.
        O sem-teto era pobre mas não era burro. Logo se deu conta de que tinha em mãos uma fortuna, e que aquilo poderia lhe render muito.
        Precisava apenas que alguém o ajudasse a aplicar aquilo. E ele sabia a quem recorrer. Porque, apesar de seu estado miserável, o sem-teto era de uma família de classe média. Estava brigado com todos os parentes, menos com um tio que trabalhava como corretor na Bolsa de Valores.
       Este tio ajudou-o com o dinheiro. Várias aplicações bem-sucedidas foram feitas e hoje o antigo sem-teto é um homem rico. Um banqueiro: conseguiu comprar um pequeno banco que lhe dá muito lucro. É um elegante estabelecimento que chama a atenção pelo design arrojado.
       Ah, sim, e pelos bancos nos quais os clientes esperam atendimento. São confortáveis, mas todos têm divisórias de ferro. O banqueiro diz que isto é uma metáfora, alertando as pessoas de que, na vida, cada um deve ter o seu lugar. Mas muitos suspeitam que a inspiração para este detalhe da decoração deve ter outra origem. Uma certa praça no centro da cidade, talvez?

2. No texto, vemos que uma história está sendo contada e que é apresentada uma sucessão de fatos. Assim,  podemos dizer que trata-se de
a) uma narrativa.
b) uma dissertação.
c) uma descrição.
d) uma injunção.

3. Com base nos dois textos lidos, nas questões anteriores, é correto afirmar que o texto “O sem-banco que virou banqueiro” de Moacyr Scliar, teve seu tema retirado de 
a) uma notícia. 
b) um poema.
c) uma carta pessoal.
d) uma crônica.

4. No trecho: "São confortáveis, mas todos têm divisórias de ferro.", a palavra em destaque estabelece ideia de
a) causa.
b) adição.
c) oposição.
d) comparação.




Leia e resolva as questões 5 - 9:

A luta e a lição
      Um brasileiro de 38 anos, Vítor Negrete, morreu no Tibete após escalar pela segunda vez o ponto culminante do planeta, o monte Everest. Da primeira, usou o reforço de um cilindro de oxigênio para suportar a altura. Na segunda (e última), dispensou o cilindro, devido ao seu estado geral, que era considerado ótimo.
     As façanhas dele me emocionaram, a bem sucedida e a malograda. Aqui do meu canto, temendo e tremendo toda a vez que viajo no bondinho do Pão de Açúcar, fico meditando sobre os motivos que levam alguns heróis a se superarem. Vitor já havia vencido o cume mais alto do mundo. Quis provar mais, fazendo a escalada sem a ajuda do oxigênio suplementar. O que leva um ser humano bem sucedido a vencer desafios assim?
     Ora, dirão os entendidos, é assim que caminha a humanidade. Se cada um repetisse meu exemplo, ficando solidamente instalado no chão, sem tentar a aventura, ainda estaríamos nas cavernas, lascando o fogo com pedras, comendo animais crus e puxando nossas mulheres pelos cabelos, como os trogloditas -se é que os trogloditas faziam isso. Somos o que somos hoje devido a heróis que trocam a vida pelo risco. Bem verdade que escalar montanhas, em si, não traz nada de prático ao resto da humanidade que prefere ficar na cômoda planície da segurança.
     Mas o que há de louvável (e lamentável) na aventura de Vítor Negrete é a aspiração de ir mais longe, de superar marcas, de ir mais alto, desafiando os riscos. Não sei até que ponto ele foi temerário ao recusar o oxigênio suplementar. Mas seu exemplo -e seu sacrifício- é uma lição de luta, mesmo sendo uma luta perdida.  
Carlos Heitor Cony

5. Na crônica “A luta e a lição” de Carlos Heitor Cony, um trecho onde o autor exprime o seu sentimento, é
a) “Na segunda (e última), dispensou o cilindro, devido ao seu estado geral, que era considerado ótimo.”
b) “Vitor já havia vencido o cume mais alto do mundo.”
c) “As façanhas dele me emocionaram, a bem sucedida e a malograda.”
d) “Bem verdade que escalar montanhas, em si, não traz nada de prático ao resto da humanidade...”

6. Ao final do texto, percebe-se que o autor trouxe ao leitor
a) um pouco de humor diante do fato mencionado.
b) uma reflexão diante de um fato que culminou com a morte de alguém.
c) apenas descrições de um fato ocorrido no monte Everest.
d) uma narração com intuito de convencer o leitor sobre sua opinião. 

7. Analisando a crônica lida, percebemos que o fato que serviu como tema foi  
a) uma viagem no bondinho do Pão de Açúcar.
b) o modo de vida dos trogloditas. 
c) a morte de Vítor Negrete ao tentar escalar o monte Everest.
d) a viagem de Vítor Negrete ao Tibete.

8. No trecho: "... como os trogloditas - se é que os trogloditas faziam isso.", a fala do autor após o uso do hífen revela que ele
a) acredita que tal situção ocorreu no passado.
b) critica as atitudes dos trogloditas.
c) não tem certeza que tal fato foi particado pelos trogloditas.
d) demonstrou complacência com os trogloditas.

9. Há uma opinião em
a) "Um brasileiro de 38 anos, Vítor Negrete, morreu no Tibete após escalar pela segunda vez o ponto culminante do planeta.."
b) "Na segunda (e última), dispensou o cilindro, devido ao seu estado geral, que era considerado ótimo.
c) "Vitor já havia vencido o cume mais alto do mundo."
d) "Mas o que há de louvável (e lamentável) na aventura de Vítor Negrete é a aspiração de ir mais longe..."

Leia e resolva as questões 10 e 11:

Desmatamento
      No caminho para meu consultório, passo pela Granja Viana, um bairro muito bonito e aconchegante, pode se dizer até elegante e charmoso. Um local onde há condomínios com suas casas bonitas, vivendo em harmonia com a natureza. Ali estão também restaurantes que nos fazem sentir como se estivéssemos no interior, algo como Monte Verde ou Campos do Jordão.
      Em alguns pontos da avenida São Camilo - que corta a Granja - vê-se uma mata tropical densa ao lado da pista. Moradores da região contam orgulhosos que, em seus quintais, pequenos macacos os visitam para comer as frutas deixadas nas vasílias. Certa manhã observei uma placa em frente a um desses pedaços de mata densa: "Breve: condomínio Alphaville Granja Viana". Aquilo me deixou preocupado, como se previsse o que estaria para acontecer. "Onde eles levantarão um condomínio por aqui?", pensava. Não seria possível que alguém desmataria toda aquela região. Hoje em dia há uma proteção ambiental grande, principalmente dentro da cidade. Valter, um grande amigo ambientalista, me disse que "se você cortar uma árvore da sua rua, a prefeitura lhe dará uma multa enorme e ainda terá que plantar outras árvores". Mas era possível. Difícil explicar a dor no coração que tive ao passar num sábado de manhã e observar, incrédulo, que haviam cortado todas aquelas lindas árvores que haviam ali. E olha que nem moro na Granja, imagino a dor dos vizinhos.
       Esses, relatam um grande número de macacos que, assustados, entram em seus quintais, expulsos de seu lar. Imaginamos o número de animais mortos. Passeatas de moradores ocorreram e - graças ao bom Deus! - embargaram a obra. Hoje, alguns meses após o desmatamento, vemos um terreno completamente nu de vegetação, terra, barro e tratores parados, como cães famintos sobre um bom bife, esperando a hora de continuar sua furiosa destruição.
      Não se pode, simplesmente, liberar essa construção com a desculpa do "mal estar feito, agora que já foi tudo destruído". esse mal exemplo será seguido sempre: destruímos o verde primeiro e depois, como não há o que fazer, construímos cimento em cima. Será que algum dia isso tudo vai mudar?
Fonte: cronicasdeumbrasileiro.blogspot.com

10. Observe os dois trechos retirados da crônica:

Trecho 01: “Certa manhã observei uma placa em frente a um desses pedaços de mata densa: "Breve: condomínio Alphaville Granja Viana".”
Trecho 02: “Hoje, alguns meses após o desmatamento, vemos um terreno completamente nu de vegetação, terra, barro e tratores parados, como cães famintos sobre um bom bife, esperando a hora de continuar sua furiosa destruição.”

O  2º trecho retirado da crônica, apresenta, com relação ao que foi dito no 1º trecho, o sentido de 
a) oposição.
b) causa.
c) consequência.
d) finalidade.

11. O título da crônica, “Desmatamento”,  se relaciona a uma das principais características desse gênero que é 
a) basear-se em um fato comum, do dia a dia.
b) basear-se em um tema científico. 
c) basear-se em um tema de ficção .
d) basear-se em um fato histórico.


GABARITO
1D / 2A / 3A / 4C / 5C / 6B / 7C / 8C / 9D / 10C / 11A

POSTE UM COMENTÁRIO

Tudo Sala de Aula agradece sua interação conosco!