ATIVIDADE DE RELIGIÃO (BNCC): RELIGIÃO DE COSTUME OU RELIGIÃO DE ESCOLHA? - ANOS FINAIS


Observa-se, hoje, uma grande valorização das diferentes culturas e formas de manifestação do humano. Vêm se ampliando, também, o reconhecimento e o respeito pelas diferentes religiões e suas maneiras de vivenciarem e de se relacionarem com o Supremo e o Transcendente. Esse reconhecimento e valorização da diversidade religiosa têm possibilitado um questionamento maior em relação à liberdade religiosa e à consequente escolha

CF,88
Segundo a Constituição brasileira, cada indivíduo tem direito à livre escolha de sua religião. Como é entendido, o respeito pela denominação religiosa e o poder religioso sobre os sujeitos são influências que interferem na liberdade religiosa de cada um. Esta liberdade se vê vinculada a uma série de preceitos e doutrinas. Muitos desses sujeitos ainda não sabem como lidar com isso.

ENTRE A HERANÇA E A LIBERDADE
Sabe-se que, apesar de predominar a religião de costume, no Brasil, existem religiões que primam pelo ato da escolha. Encontram-se, sobretudo, hoje, denominações religiosas que criam seus filhos em meio a uma liberdade muito tranquila, possibilitando uma escolha e opção desejada. Conforme Reginaldo Prandi a religião que se professa hoje já não é aquela na qual se nasce, mas a que se escolhe. A religião que alguém elege para si, hoje, escolhida de uma plural idade em permanente expansão, também não é necessariamente mais a que seguirá amanhã.

Segundo o padre José Ivo Follmann, estudioso em Ciências das Religiões, existem quatro tipos de religião: 1) religião de herança vivida como um costume ou tradição; 2) religião de herança, mas assumida em seu conteúdo fundamental através de formação, escolha e consciência; 3) religião de herança, mas onde o sujeito vive numa atitude de abertura e busca, experimentando outras religiões ou mesmo escolhendo, por opção, outra; 4) sem religião de herança, podendo escolher, ou não, a sua religião na fase adulta. Muitas religiões colocam as pessoas numa espécie de "horizonte fechado" desde o nascimento, não possibilitando alternativas. O indivíduo é marcado pela religião de seus pais e deve carregá-la consigo até o fim da vida e passá-la adiante. Não fazendo isto, sente-se culpado e considerado infiel, pois não segue os costumes. A religião de costume tende a se esvaziar no seu conteúdo e, sem um bom trabalho de formação, acaba limitando a consciência religiosa. 

REFLETINDO

Dessa maneira vemos a grande importância do diálogo com o diferente. O diálogo inter-religioso é uma prática fundamental na vida de todos os sujeitos. O conhecimento sobre as diversas religiões e o diálogo ajuda a fortalecer a identidade religiosa, além de possibilitar grande estímulo para a religião de escolha. Aqueles que vivem a sua religião só por costume ou tradição acabam não tendo coragem de dialogar sobre a mesma, perdendo a oportunidade de conhecer e aprender a respeitar a dos outros. 


ATIVIDADES SOBRE O QUE VOCÊ APRENDEU 


1. Em que medida a família influencia na escolha da religião?
________________________________________

2. Quais as diferenças entre religião de costume e religião de escolha? 
________________________________________

3. O que garante a Constituição Federal no que se diz respeito à religião? 
________________________________________

4. Por que o diálogo é importante para o fortalecimento de uma identidade religiosa consciente? 
________________________________________


GABARITO
1. Através do incentivo a comportamentos e valores já oriundos dos antecedentes familiares para um determinado indivíduo em que a religião prega serem corretos. 
2. Religião de costume é aquela passada de pai para filho sem a total decisão do membro familiar e a de escolha é aquela em que o membro da família decide por si próprio segui-la. 
3. Segundo a Constituição brasileira, cada indivíduo tem direito à livre escolha de sua religião.
4. Porque através do diálogo pode ser evitado o conflito e a discórdia, obtendo informações suficientes para que o seguido saiba plenamente as suas decisões. 


PLANEJAMENTO PARA O PROFESSOR

OBJETO DO CONHECI-MENTO
Princípios éticos e valores religiosos

OBJETIVO DE AULA
Reconhecer e respeitar as  diferentes religiões e   suas maneiras de vivenciarem e de se relacionarem com o Supremo e o Transcendente.

HABILIDADE BNCC
(EF07ER06) Identificar princípios éticos em diferentes tradições religiosas e filosofias de vida, discutindo como podem influenciar condutas pessoais e práticas sociais.
(EF07ER08) Reconhecer o direito à liberdade de consciência, crença ou convicção, questionando concepções e práticas sociais que a violam.

Atividade Elaborada por Maurício Araújo

POSTE UM COMENTÁRIO

Tudo Sala de Aula agradece sua interação conosco!